Facebook
Instagram
Youtube
Spotify
Bodog

Pietro Fittipaldi na Fórmula 1?

Pietro Fittipaldi carro F1

Se você é fã de Fórmula 1 ou pelo menos está sempre atento às notícias de esporte em geral, deve ter lido sobre o possível ingresso do jovem piloto brasileiro Pietro Fittipaldi, em 2020, no hall dos corredores titulares da Fórmula 1, a modalidade mais avançada do automobilismo . A oportunidade veio à tona por conta da má fase da Haas, da qual Fittipaldi já é piloto de testes.

O sobrenome Fittipaldi na história da Fórmula 1

Não precisa saber muito sobre o universo do esporte a motor para reconhecer o sobrenome Fittipaldi. É famoso por um motivo muito simples: são 5 corredores de automobilismo da mesma família; três deles já tendo participado do Campeonato Mundial de Fórmula Um. Wilson, Emerson, Christian, Pietro e Enzo são seus primeiros nomes.

Wilson Fittipaldi Júnior é irmão de Emerson, primeiro brasileiro a se tornar campeão mundial de Fórmula 1, e pai de Christian, único brasileiro a disputar Fórmula 1, Champ Car e NASCAR Winston Cup. O próprio Wilson construía carros de corrida e teve sua equipe de F1, a Escuderia Fittipaldi, pela qual ele mesmo correu e, anos mais tarde, seu irmão, que alcançou o bicampeonato no torneio e passou por poucas e boas ao longo do seu período lá.

Uma das histórias mais marcantes de Emerson é que, durante uma corrida para “amaciar” o carro do seu companheiro de equipe, Jochen Rindt – líder do campeonato na época –, sofreu um forte acidente que destruiu o veículo. Então, o chefe da equipe tirou Emerson da prova e deu o seu carro a Rindt, que também sofreu uma batida e acabou falecendo. Quando Emerson voltou a correr, fez questão de ganhar e ainda evitar que os outros competidores chegassem à pontuação de Rindt, fazendo com que ele pudesse ser campeão póstumo da Fórmula 1 – o único até hoje a conseguir o feito.

Sobre a carreira de Christian na Fórmula 1, ele fez parte das equipes Minardi e Arrows, esteve presente em mais de 40 Grandes Prêmios, entre 1992 e 1994, e conseguiu registrar pontos em 5 oportunidades. O novato Enzo, de apenas 18 anos, também seguiu os passos dos homens da família e, em 2016, entrou para a Academia de Jovens Pilotos, uma iniciativa da Ferrari para promover jovens talentos do automobilismo. Ainda não alcançou a pontuação necessária para chegar à Fórmula 1, mas está traçando um bom caminho e deixando sua marca em campeonatos como Fórmula 4 Italiana, ADAC Fórmula 4 e na Formula Regional European Championship.

Quem é Pietro Fittipaldi?

Pietro Fittipaldi F1 entrevista

Pietro é neto de Emerson, sobrinho-neto de Wilson, primo de Christian e irmão de Enzo. Um pouco confuso, mas o que importa é que já deu para entender que ele vem de uma família de corredores vencedores. Com apenas 23 anos, o piloto já teve conquistas importantes, como ser o primeiro piloto com ascendência latino-americana a conquistar um título em uma divisão da Nascar (2011), campeão da F-Renault Britânica (2014) e campeão da F3.5 V8 (2017).

Pietro Fittipaldi poderá estar na próxima temporada...

Em 2020, Pietro tem a chance de sair da reserva e ser piloto titular da Haas, uma vez que o próprio chefe da equipe admite o baixo rendimento dos carros, além da alta probabilidade de a patrocinadora principal, Rich Energy, sair de cena. Nada está definido; a temporada 2019 ainda está rolando – e você pode conferir tudo com muito mais emoção no site do Bodog! –, a escuderia tem diversas questões para resolver, há rumores de novas contratações e o próprio Pietro não tem, por hora, a pontuação necessária para conseguir a superlicença que o permite competir na Fórmula 1, mas a brecha existe e o piloto já demonstrou bastante interesse em aproveitá-la.

As possibilidades de retorno de um brasileiro à Fórmula 1

Emerson Fittipaldi Carro F1

A esperança de Pietro acaba sendo a esperança do país como um todo de voltar a ver e torcer por um compatriota na Fórmula 1. Ao todo, 31 brasileiros já participaram do torneio, com destaque para o bicampeão Emerson Fittipaldi (1972 e 74) e os tricampeões Nelson Piquet (1981, 83 e 87) e Ayrton Senna (1988, 1990 e 91), além de Rubens Barrichello e Felipe Massa, que também tiveram sua parcela importante de contribuição para o automobilismo mundial.