Facebook
Instagram
Youtube
Spotify
Bodog

Os mitos e as lendas da Roleta

Vamos conhecer alguns dos mitos e lendas da Roleta que fazem a diferença. A roleta é um dos jogos de casino mais tradicionais do mundo. Isso se deve tanto ao tempo que o jogo existe. Quanto aos filmes de cassino do Hollywood. Que nunca deixaram a roleta de fora ao retratar cenas dentro dos melhores casinos online.

mitos lendas roleta

Segundo a história, em 1655, o físico e matemático francês Blaise Pascal tentou criar uma máquina de movimento perpétuo, sem sucesso. O que ele não fazia ideia era que sua tentativa frustrada viraria um dos jogos mais importantes do planeta.

Mitos e as lendas da Roleta

A lenda de François Blanc

O francês François Blanc, fundador dos primeiros casinos em Monte-Carlo. É apontado como a figura responsável por levar o jogo de roleta para todo o continente europeu. Diz a lenda que Blanc teria vendido sua alma ao diabo para compreender os segredos da roleta.

Como prova, a teoria aponta que a soma de todos os números da roleta é 666, que é considerado o “número da besta”.

O homem que quebrou a banca em Monte-Carlo

Outra história muito interessante é do engenheiro inglês Joseph Jagger. Jagger era um empresário da indústria têxtil nos anos de 1870. Quando foi viu a falência chegar ao mesmo tempo que tinha 4 filhos para criar. Se sumó nos mitos e as lendas da Roleta

joseph jagger

Por ter trabalhado durante anos no ramo têxtil. Jagger observou que as rodas giratórias nunca foram perfeitamente equilibradas, e resolveu utilizar sua experiência em um jogo de roleta.

Com seu filho mais velho e seu sobrinho, Jagger viajou com dinheiro emprestado até Monte-Carlo para observar o funcionamento do jogo e os números que apareciam com mais frequência.

Jogadas bem pensadas

Após o estudo, o empresário falido começou a fazer jogadas bem sucedidas, tendo “quebrado a banca” após ter ganho mais de 2 milhões de francos em vários dias de aposta. A expressão “quebrar a banca” é utilizada quando a reserva de dinheiro de uma mesa é insuficiente para pagar os ganhos de um jogador vencedor.

Jagger voltou para Yorkshire, sua cidade na Inglaterra, e usou parte do dinheiro para comprar imóveis.

Mais tarde, teve sua biografia escrita pela sobrinha Anne Fletcher. O livro se chama “From the Mill to Monte-Carlo: The Working-class Englishman Who Beat the Monaco Casino and Changed Gambling Forever”.

O homem que apostou tudo na roleta

Tudo começou em 2004 quando o britânico Ashley Revell tinha 32 anos e, numa mesa de bar com os amigos. Falaram sobre a ideia de vender tudo o que tinham, pegar o dinheiro e apostar na roleta.

roleta online

Claro que na manhã seguinte os amigos desconsideraram a ideia. Menos Ashley. Eles ainda tentaram convencer o rapaz de que aquilo seria uma insanidade. Mas Ashley estava decidido e começou a vender tudo o que tinha. De carro e relógios até as roupas do armário. Com as vendas o rapaz conseguiu juntar o equivalente a pouco mais de £ 100.000.

Um canal de TV ficou sabendo da história e começou a acompanhar a saga de Ashley através de um reality chamado “Double or Nothing”, criado especialmente para aquela ocasião.

Camino a Las Vegas

Ashley embarcou rumo ao Plaza Hotel & Casino, em Las Vegas. Vestindo um terno alugado e somente com o dinheiro da aposta. Então, tecnicamente, ele não era dono nem das roupas que vestia.

Chegando lá, a administração do casino desaconselhou Ashley a cometer tal loucura. Mas o rapaz se manteve firme e foi em direção a uma mesa de roleta.

Já na mesa, ele pegou cada centavo que havia levado e apostou tudo em uma cor: vermelho.

A roleta girou, girou, enquanto a equipe de filmagem do canal britânico registrava tudo… Quando parou, Ashley havia se tornado um milionário, ganhando o dobro da aposta que havia feito.

O rapaz recolheu suas fichas, se dirigiu ao caixa, pegou seu dinheiro e foi embora. Você conhece algum dos mitos e as lendas da Roleta do presente.

Mais tarde o novo milionário afirmou que sua jogada foi realmente de alto risco. Mas que o pressentimento da vitória não o abandonou em momento algum.